Extintor

AGENTES EXTINTORES

EXTINTOR DE ÁGUA PRESSURIZADO

    Este é o extintor mais indicado para o combate a princípio de incêndio em materiais da classe "A" (sólidos). Não deverá ser usado em hipótese alguma em materiais da classe "C" (elétricos energizados), pois a água é excelente condutor de eletricidade, o que acarretará no aumento do fogo. Deve-se evitar também seu uso em produtos da classe "D" (materiais pirofóricos), como o magnésio, pó de alumínio e o carbonato de potássio, pois em contato com a água eles reagem de forma violenta. A água agirá por resfriamento e abafamento.
    Procedimentos para uso:

EXTINTOR DE ÁGUA PRESSURIZÁVEL (PRESSÃO INJETADA)

    Seu uso é equivalente ao de água pressurizada, diferindo-se apenas externamente pelo pequeno cilindro contendo gás propelente, cuja válvula deve ser aberta no ato de sua utilização, a fim de pressurizar o ambiente interno do extintor, permitindo o seu funcionamento. O agente propulsor (propulente) é o gás carbônico (CO2).
    Procedimentos de uso:

EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO SECO (PQS)

    É o mais indicado para ação em materiais da classe "B" (líquidos inflamáveis), mas também pode ser usado em materiais classe "A" e, em último caso, na classe "C". Age por abafamento, isolando o oxigênio e liberando gás carbônico assim que entra em contato com o fogo.
    Procedimentos para uso:

EXTINTOR DE PQS COM PRESSÃO INJETÁVEL

    As mesmas características do PQS pressurizado, mas mantendo externamente uma ampola de gás para a pressurização no instante do uso.
    Procedimentos para uso:

EXTINTOR DE ESPUMA MECÂNICA PRESSURIZADO

    A espuma é gerada pelo batimento da água com o líquido gerador de espuma e ar (a mistura da água e do líquido gerador de espuma está sob pressão) sendo expelida ao acionamento do gatilho, juntando-se então ao arrastamento do ar atmosférico em sua passagem pelo esguicho. Será usado em princípios de incêndio das classes "A" e "B".
    Procedimentos de uso:

EXTINTOR DE ESPUMA MECÂNICA COM PRESSÃO INJETADA

    As mesmas características do pressurizado, mas mantendo a ampola externa para a pressurização no instante do uso.
    Procedimentos para uso:

EXTINTOR DE ESPUMA QUÍMICA

    Embora esteja em desuso no mercado, ainda é possível encontrá-lo em edificações. Seu funcionamento é possível devido a colocação do mesmo de "cabeça para baixo", formando a reação de soluções aquosas de sulfato de alumínio e bicarbonato de sódio. Depois de iniciado o funcionamento, não é possível a interrupção da descarga. Deve ser usado em princípios de incêndio das classes "A" e "B".
    Procedimentos para uso:

EXTINTOR DE GÁS CARBÔNICO (CO2)

    É o mais indicado para a extinção de princípio de incêndio em materiais da classe "C" (elétricos energizados), podendo ser usado também na classe "B".
    Procedimentos para uso:

EXTINTOR DE HALOGENADO (HALON)

    Composto por elementos halogênios (flúor, cloro, bromo e iodo). Atua por abafamento, quebrando a reação em cadeia que alimenta o fogo. Ideal para o combate a princípios de incêndio em materiais da classe "C".
    Procedimentos para uso:

EXTINTOR SOBRE RODAS (CARRETA)

    A diferença dos extintores em geral é a sua capacidade. Devido ao seu tamanho, sua operação requer duas pessoas.
    As carretas podem ser de:

    Clique aqui para visualizar a tabela de uso de agentes extintores.